Entrevista com Simone Saueressig, autora do livro Padrão 20

Os alunos de 8º ano da EMEF Rui Barbosa visitaram a 31ª Feira do Livro de Campo Bom e aproveitaram para trocar seus “Vales Livros” cedidos pela Secretaria de Educação do município de Campo Bom, como forma de incentivar os alunos e professores à prática da leitura. Junto a Feira do Livro, a prefeitura ofereceu atrações como apresentações de alunos das escolas da rede e particulares, assim como entrevistas com autores e autoras de livros presentes a esta edição da Feira. Uma delas foi a autora Simone Saueressig, que escreveu o livro “Padrão 20” que foi lido anteriormente pelos alunos das turmas. Confira abaixo algumas perguntas respondidas pela autora durante o momento de conversa da autora com os alunos:

Qual foi a inspiração para escrever este livro? A inspiração para escrever foi o medo, o medo que o mundo acabasse quando ligassem o LHC.

Por que você escolheu estes nomes para os personagens?
 “Eu tenho dificuldade para encontrar nomes para meus personagens em meus livros, mas nesses livros,
Maria: queria utilizar o nome ‘Maria’, mas não podia ser um ‘Maria comum’, como Maria Eduarda, eu queria um nome mais ‘incomum’;
Shiaka: queria um nome legal, mas não muito comum, então comecei a ‘brincar’ com as teclas de meu computador, e saiu ‘Shiaka’, só mais tarde fui descobrir que este é o nome de um cantor de alguma parte da África, mas que agora não irei lembrar;
Cosmo: queria que algum personagem falasse: ‘καληνύχτα’, que significa ‘boa noite’, em Grego, então ‘Cosmo’ foi o primeiro nome que veio em minha mente.”

Por que a utilização de nomes de filmes, livros e músicas nos nomes dos capítulos de seu livro? Eu utilizei estes nomes, pois gosto muito de assistir estes filmes, ler estes livros e ouvir estas músicas.

Curiosidades:
Nasceu em 1964;
Tem mais de 30 livros;
Destes livros, a maior parte são histórias de fantasias;
Tem medo de notícias do fim do mundo. Após estas começa a se sentir mal e logo muda de canal na televisão;
Apenas três pessoas compareceram na sessão de autógrafos que aconteceu em Porto Alegre;
Entre todos os seus livros, ela se identifica mais com Maria do Céu;
A inspiração para o final do livro “Padrão 20”, foi o livro 2001: Uma Odisseia no Espaço;
No CERN “verdadeiro”, ainda há a utilização do quadro negro.

100_3743Foto dos alunos Arthur, Liége, Maicon, Thayná Mello, Tainá Diehl e professora Maria Cristina Dresch junto a escritora Simone.

Fonte da imagem

Confira a programação da Feira do Livro de 2015

Anúncios

29ª Feira do Livro de Campo Bom

Hey Mistonautas. A 29ª Feira do Livro de Campo Bom já está acontecendo no Largo Irmãos Vetter e  fazendo o maior sucesso. A abertura ocorreu ontem, dia 22/10, mas para a nossa escola começou semana passada, com a visita do escritor Henrique Schneider. Ele cativou os alunos com uma palestra descontraída e divertida sobre a leitura.  Schneider tem 7 livros lançados e escreve crônicas para o ABC Domingo (Jornal NH), da nossa região. Confiram as fotos da palestra:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Henrique Schneider gosta de interagir com os jovens e, soube com exclusividade, que  gosta de competir também com sua grande coleção de tênis All-Star. Em seu site oficial vocês podem encontrar mais informações sobre o escritor e  algumas de suas crônicas.

Agora que os alunos perceberam os benefícios da leitura, está na hora de usar seus vales na Feira do Livro do município.

A abertura do evento contou com a Secretária de Educação e Cultura Eliane dos Reis e com o Vice-prefeito Marcos Riegel, que trouxeram dados e curiosidades muito interessantes. Vocês sabiam que no Brasil, a média de livros lidos por ano é de 1 a 2? Porém, somente no Rio Grande do Sul  é de 5 livros. No nosso município segundo dados da SMEC, é de 6 a 7 por aluno. Belo exemplo, não?

sam_9944dsc06390

Claro que não poderiam faltar apresentações e neste ano 470 alunos da EMEF Santos Dumont encenaram a peça “A Aventura de Doroti” (releitura da obra “O Mágico de OZ”).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O grupo de dança Fire da EMEF Presidente Vargas também encantou os presentes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma dupla musical da EMEF Borges de Medeiros fez todo mundo cantar junto ao som de vários estilos, acompanhados de violão.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A escola Santa Terezinha maravilhou a todos com a apresentação de dança “Alegria do Circo”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Também tivemos a participação do pessoal do CEMEA contando histórias para as crianças. O horário deve ser agendado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O visual da Feira conta com vários espaços de leitura preparados com carinho pelas escolas, inclusive a nossa.

sam_0011 sam_0012

E se vocês ainda não compareceram à Feira, então tratem de ir e comprar pelo menos um livro, afinal ele traz conhecimento, sabedoria e muitos outros benefícios.

sam_0018

Homenagem ao Outubro Rosa.

Mistureba no 4º dia da 28ª Feira do Livro de Campo Bom

Além de vermos as novidades no mundo dos livros, também participamos do bate-papo e sessão de autógrafos com Sergio Napp, autor de Ana K.

Por: Revista Mistureba

Hey Mistonautas! Todo mundo aí curtiu a 28º Feira do Livro de Campo Bom né? Foi o maior barato! Tinha tantos livros legais que a dúvida de qual levar era grande, nem eu aguentei e comprei três livros para minha “coleção” (sim, eu amooooo ler haha). Além disso, a Feira teve outros eventos, inclusive bate-papo e sessão de autógrafos com diversos autores. Na sexta (26/10) eu e a Vitória Mello prestigiamos com nossas turmas, a conversa com Sergio Napp o autor do livro Ana K.  É um livro com a cara dos jovens, já que conta a história de uma garota de 16 anos, que não tem uma boa relação com o pai e sofre com os típicos problemas de adolescentes de hoje em dia. E para não perdermos o costume, deixamos em aberto (dias 26/10 – 29/10) enquetes querendo saber a opinião de vocês. Confiram aí os resultados:

Com Sergio Napp, descobrimos coisas muito interessantes, como por exemplo,  desde pequeno ele já lia TODOS os tipos de livros, confessou que quando vai escrever um livro, cria primeiro um título e dele sai a história (ao contrário do que estamos acostumados a fazer), que  inventa  em todos os lugares (isso me lembra a querida J.K Rowling, que imaginou Harry Potter pela primeira vez numa viagem de trem) e que os autores nunca sabem o que vai acontecer com as histórias, podem levar anos escrevendo-as mas talvez nem sejam publicadas.

Por: Revista Mistureba
Por: Revista Mistureba
Por: Revista Mistureba

Sobre Ana K, o autor revelou que não se inspirou em nenhuma garota para criá-la, ou seja, ela é totalmente ficcional, seus únicos objetivos eram tratar sobre a dificuldade de relacionamento entre pai e filho e a gravidez precoce. Também não queria passar nenhum ensinamento, pois acha que não é esse o dever de um escritor, ele só levanta a questão para ser refletida.

A dúvida que não quer calar é:  se haverá uma continuação para a história, já que ela teve um final muito vago, porém Napp declarou que normalmente seus contos não têm fim, pois quer instigar o leitor a participar da história, imaginando-a. A editora poderá solicitar ao autor que dê uma continuidade ao episódio, porém se passará após a adolescência da protagonista.

Agora, uma supercuriosidade… Vocês sabem quanto tempo demorou para Ana K ficar pronto? Se eu disser que foram somente 20 DIAS, irão me chamar de louca. Mas é a mais pura verdade, foi este o prazo que a editora deu para Sergio Napp terminá-lo e durante este tempo ele se dedicou muito, desde escolher a história (que veio de uma de quatro anotações) até mandar para a editora e precisar mudar alguns detalhes por telefone.  Porém deu tudo certo e o livro Ana K já está disponível para compra.

Então corram para a livraria mais próxima e se joguem neste enredo incrível 😉

Este slideshow necessita de JavaScript.